quarta-feira, 29 de junho de 2016

Pessoas na rua

Não acredito em evolução espiritual ou coisa parecida, e sendo assim não sou o tipo de pessoa que espera algo de bom do ser humano. E vivo bem com isso, sem angústia nem preocupações.

Mas existem certos dias de inverno em que o sol aparece e deixa a temperatura morninha e agradável nas ruas e por dentro de mim. Nesses dias gosto de sair para comprar pão, andar um pouco e observar as pessoas na rua. Sem julgá-las. Apenas para observar e, talvez, desenhá-las depois, de memória. Nesses dias sinto uma certa ternura pelos seres humanos. Todas as coisas ruins que fazemos uns aos outros são esquecidas e o mundo parece estar em paz, ao menos naquele dia, ao menos naquele momento.


segunda-feira, 27 de junho de 2016

Jeanzinho (Tira)

Enquanto a história nova do Jeanzinho não sai, que tal uma tira? Aqui aparece pela primeira vez o meu pa... Digo, o pai do Jeanzinho. ;)


quinta-feira, 23 de junho de 2016

Pérola, Suzy e o pote de salsichas

Uma postagem que vi ontem no Facebook me fez lembrar de um episódio com minhas cachorrinhas, Pérola e Suzy, e fiz esse desenho no sketchbook pensando nisso. :)

Uma vez minha mãe veio da chácara trazendo um pote cheio de salsichas que ela havia preparado lá e trouxe pra casa. Ao descarregar umas coisas do carro, acabou deixando o pote de salsichas no chão da cozinha. As duas cachorras, que não são bobas nem nada, e ainda por cima obcecadas por salsichas (principalmente a Pérola), não perderam a oportunidade!

Quando minha mãe voltou à cozinha, encontrou as duas lambuzadas de molho de tomate, se lambendo sem parar e o pote de salsichas vazio. Acho que foi o dia mais feliz das vidas delas! :D

Não temos mais a Pérola, que já morreu. Pra quem ainda não leu, fiz uma historinha pra ela um tempo atrás. Clique aqui para ler no meu blog ou aqui para ler no Issuu.


domingo, 19 de junho de 2016

Boneco do Jeanzinho

Olá, pessoal! Aqui estou eu, feliz da vida, após receber das mãos da minha amiga Elza Keiko o boneco do Jeanzinho!

Encomendei a ela para dar de presente à Sayonara e quase acabei ficando com ele pra mim! ;) Por ideia da própria Elza, fizemos uma versão dele com capinha de Super-Homem (sem o símbolo, para não termos problemas de direitos autorais, mas quem já leu a historinha a respeito do Super-Homem vai entender que só pode ser ele). Mais pra frente vou encomendar um boneco pra mim também, numa versão diferente, talvez com mochilinha nas costas. O legal de comprar produtos de artesãos é poder personalizar cada peça. :)

E agora o principal: se alguém quiser um boneco do Jeanzinho, saiba que a Elza Keiko está aberta e encomendas, viu? É só entrar em contato através da página dela!

Pra quem ainda não leu as aventuras do meu alter ego infantil, é só clicar nos links abaixo e conferir!

O Dia Em Que Eu Vi o Super-Homem
Aprendendo a Levantar
O Menino (Quase) Nu




domingo, 12 de junho de 2016

Seu Raul conserta um carro

Fiz esse sketch ontem, mas só joguei umas cores hoje.

Eram mais ou menos umas 11 da manhã. Fui até a sacada para beber um café, tomar um pouco de sol e olhar a rua, quando uns sons familiares me chamaram a atenção... Era o meu velho vizinho, Seu Raul, que voltava a fazer algo que há muito não fazia: "consertar" um carro! No mesmo estilo de sempre: xingando e batendo no pobre veículo. Porque todo mundo sabe que é assim que se conserta um carro.

Não resisti e fiz uma homenagem a essa ilustre figura, que com certeza vai fazer parte do elenco do Jeanzinho. :)

Já falei sobre o Seu Raul aqui.


quinta-feira, 9 de junho de 2016

Estreando meu artbook

Ontem resolvi ir à loja de material artístico aqui da minha cidade para comprar meu primeiro artbook. Já faz algum tempo que ensaiava isso. É uma forma de voltar a fazer uma coisa que adorava fazer anos atrás: sair na rua para desenhar lugares e coisas que vejo. Isso era algo que me deixava travado - desenhar em público - e havia começado a fazer justamente pra enfrentar esse medo. Superei-o, mas fui deixando de lado com o tempo, até perder o hábito. Quero retomá-lo agora.

Além disso, sempre gostei de ficar enchendo folhas e folhas com esboços. Só que fazia isso em folhas sulfite soltas, que acabavam espalhadas aqui e ali. Por que não fazer isso num único lugar?

Estreei meu artbook desenhando dois tipos que vi pela rua. O carinha aí eu avistei passando em frente ao muro do cemitério islâmico de Guarulhos. Já a menina estava num ponto de ônibus, visivelmente sentindo muito frio. Tivemos sol por aqui ontem e hoje, mas as temperaturas continuam baixas.


quarta-feira, 1 de junho de 2016

Um homem no mercado

Fui ao mercado comprar pão e vi uma cena que acabou comigo: um homem de cinquenta e poucos anos, vestindo roupas bem velhas, com uma cestinha de compras no braço, segurando um pequeno pedaço de papel (provavelmente uma lista de compras), com um dos olhares mais tristes que eu já vi na minha vida.
Ele andava devagar pelas prateleiras, olhando os produtos... Suponho que tentando encontrar aqueles que cabiam no seu orçamento cheio de privações.
Enquanto alguns homens exercem seus podres poderes, ficam esquecidos os outros que precisam pensar se podem ou não levar pra casa um pacote de biscoito.